Saiba como vai funcionar o pagamento do IPVA 2018

A Prescrição Estadual, em conjunto com o Detran-RS e a Seguradora Cabeça, decidiu cancelar o despacho da bilhete de Imposto sobre a Casa de Veículos Automotores (IPVA) aos proprietários de veículos pelos Correios. Dessa maneira, o andamento de correspondências referentes ao IPVA 2018 acontece especialmente por e-mail.

Para tanto, os contribuintes precisam preservar seus cadastros atualizados no site exclusivo do imposto. Notícias e informações similarmente estarão disponíveis em mais bens on-line, como nos sites e nas redes sociais da Secretaria da Bens, inclusive a própria divulgação do tabela do IPVA 2018 na primeira quindênio de dezembro. A indicador, além de assingelar e acelerar o acesso às informações, reduz os custos com a adequação e o impacto ambiental.

Abastecimento da bilhete do IPVA 2018 será ensejo especialmente por e-mail

A cada ano, a impressão e o despacho desses documentos em papel custa mais ou menos R$ 2 milhões à Secretaria da Bens. “É uma economia básico, especificamente no hora de crise e contingenciamento de gastos que estamos vivendo”, acentua o subsecretário da Prescrição Estadual, Mario Luis Wunderlich dos Santos.

O arquivo atualizado viabiliza aos donos dos veículos o abrigo por e-mail de todas informações a respeito do vencimento IPVA RS, tais como datas e princípios de pagamento, descontos disponíveis, multas, afastamento do veículo, sem riscos básico e certificação sobre pagamentos efetuados.

Para cada veículo, precisa ser realizado um arquivo eletrônico, identificando um ou mais e-mails para o abrigo das informações. No momento em que acontecer a troca do amo, um novo arquivo precisa ser realizado, e as informações deixarão de ser enviadas para o amo antecedente. Até o ano passado, os proprietários de veículos recebiam em suas casas uma bilhete com as informações referentes ao imposto, que não era um boleto, porém somente um lembrete para o pagamento do Imposto.

De maneira alternativa, podiam optar por acolher os dados via e-mail. A começar por 2018, essa passa a ser a única escolha atual. A extinção das correspondências físicas faz parte dos esforços de atualização e desenvolvimento sustentável do Cofre gaúcho. Para garantir o abrigo das informações, os donos dos veículos são capazes de acontecer o cadastramento de modo direto no site ipva.rs.gov.br.

Prescrição torna básico abrir-se coisa de R$ 30 mil liquidadas em natureza

A Secretaria da Prescrição Federal publicou no Agenda Oficial da Casamento (DOU) adestramento normativa (IN) que torna obrigatória a prestação de informações das coisa em princípios iguais ou superiores a R$ 30 mil, cuja aniquilamento ocorra em cunha em natureza. A IN já está em energia, porém apenas produzirá efeitos a começar por 1 de janeiro de 2018. A ambição alcança informações relativas a “coisa liquidadas, completo ou parcialmente, em natureza, consecutivos de alienação ou abdicação onerosa ou gratuita de acervo e direitos, de prestação de serviços, de afretamento ou de outras coisa que envolvam adiamento de cunha em natureza”.

 

Os dados deverão ser reportados à Prescrição por meio de formulário eletrônico conhecido por Afirmativa de Coisa Liquidadas com Cunha em Natureza (DME), até o último dia benéfico do mês consecutivo ao mês de abrigo dos princípios. De acordo com a Prescrição, a indicador decorre da experiência verificada em muitas coisa especiais que a escola possui comunicado ao prolongado dos últimos anos.

“Observou-se que coisa em natureza abrange sido usadas para ocultar coisa de abafação, de adulteração e de limpeza de dinheiro, em sui generis no momento em que os beneficiários de recursos ilícitos fazem aquisições de acervo ou de serviços e não tencionam ser identificados pela alçada tributária”, afirmou a Prescrição em setembro, no momento em que abriu consulta pública sobre o assunto.

A não apresentação da DME – ou sua apresentação fora do tempo ou com incorreções ou omissões – sujeita o declarador às multas de R$ 100(ORIGINAL)|100 (CEM)|CEM}, R$ 500 ou R$ 1.500, por mês ou cisão, de acordo com a aberração, ou de 1,5% e 3% do valor da cirurgia, similarmente de acordo com a contravenção.